17 de mar de 2014

Salmo 94: Oxalá hoje escuteis a sua voz

O salmo, do qual tomamos esta palavra de vida, nos recorda que somos o povo de Deus, que Ele quer nos guiar, como faz um pastor com seu rebanho, para introduzir-nos na terra prometida. Ele, que nos tem pensado desde sempre, sabe como devemos caminhar para viver em plenitude, para alcançar nosso verdadeiro ser. Em seu amor nos sugere o que fazer, o que não fazer e nos assinala um caminho a seguir.



Deus nos fala como a amigos, porque quer nos introduzir na comunhão com Ele. Se alguém escuta sua voz, diz o salmo em sua conclusão - entrará no repouso de Deus, na terra prometida, na alegria do Paraíso (cf Hb 3,7-4,1).

Jesus se compara também a um pastor que nos conduz, cada um de nós, a plenitude da vida. Ele fala e seus discípulos, que o conhecem, escutam a sua voz e o seguem. A eles promete a vida eterna (cf Jo 10, 28).

Deus faz cada um de nós ouvir sua palavra. Como nos recorda o Concílio Vaticano II: No fundo da própria consciência, o homem descobre uma lei que não se impôs a si mesmo, mas à qual deve obedecer; essa voz, que sempre o está a chamar ao amor do bem e fuga do mal, soa no momento oportuno, na intimidade do seu coração: faze isto, evita aquilo. O homem tem no coração uma lei escrita pelo próprio Deus; a sua dignidade está em obedecer-lhe, e por ela é que será julgado (Gaudium et Spes, 16).

O que devemos fazer quando Deus nos fala ao coração? Simplesmente temos que nos colocar a escuta de sua Palavra sabendo que, em linguagem bíblica, escutar significa aderir inteiramente, obedecer, adequar-se ao que é dito. É como deixar-se tomar pela mão e ser guiado por Deus. Podemos confiar em Deus como uma criança que se abandona aos braços de sua mãe e deixa levar por ela. O cristão é pessoa guiada pelo Espírito Santo.

Oxalá hoje escuteis a sua voz!

Após estas palavras, o salmo continua: Não endureceis o coração! Também Jesus falou muitas vezes sobre a dureza do coração. Se pode resistir a Deus, uma pessoa pode fechar-se a Ele e negar-se a escutar a sua voz. Um coração duro não deixa se moldar por Deus.

As vezes não se trata nem de má vontade. É que custa reconhecer "essa voz" em meio a muitas outras vozes que ressoam pelo mundo. Muitas vezes o coração está contaminado por demasiados ruídos ensurdecedores; são inclinações desordenadas que nos conduzem ao pecado, a mentalidade deste mundo que se opõe ao projeto de Deus, as modas, os slogans publicitários. Sabemos quão fácil é confundir as próprias opiniões, os próprios desejos com a voz do Espírito Santo, e, em consequencia, cair em caprichos e na subjetividade.

Nunca posso esquecer que a realidade está dentro de mim. Tenho que fazer calar tudo em mim para descobrir a voz de Deus. E tenho que extrair esta voz como se fosse um diamante do barro, limpá-la até reluzir e, então, deixar-se guiar por ela (cf Sl 72, 23-24). Então também poderei guiar outros, porque esta voz sutil de Deus empurra e ilumina, é uma seiva que sobe do fundo da alma, é uma sabedoria, é amor; e amor se deve dar.

Antes de mais nada, é necessário reevangelizar-se constantemente ouvindo a Palavra de Deus, lendo, meditando, vivendo o Evangelho para ir adquirindo, cada vez mais, uma mentalidade evangélica. Assim aprenderemos a reconhecer a voz de Deus dentro de nós, a medida em que aprendamos a conhecê-la dos 
lábio de Jesus, Palavra de Deus feita homem. E isto se pode pedir com a oração.

Devemos deixar viver o Ressuscitado dentro de nós, renegando a nós mesmos, fazendo guerra ao egoísmo, ao "homem velho" que está sempre rondando. Isto requer dizer "não" a tudo que está contra a vontade de Deus imediatamente e dizer "sim" a tudo que Deus deseja; "não" em todos os momentos de tentação, cortando de imediato insinuações de pecado; "sim" às tarefas que Ele nos tem confiado, "sim" ao amor para com o próximo, "sim" as provas e dificuldades que encontramos.

Podemos, enfim, identificar a voz de Deus mais facilmente se tivermos Cristo Ressuscitado em nosso meio, quer dizer, se nos amarmos reciprocamente, criando em todas partes um oásis de comunhão e fraternidade. Jesus em meio a nós é como um auto-falante que amplifica a voz de Deus dentro de cada um, fazendo-a ser escutada mais claramente. Também o apóstolo Pedro ensina que o amor cristão, vivido em comunidade, se enriquece sempre mais em conhecimento e discernimento, ajudando-nos a reconhecer sempre o melhor (cf Fp 1,9).

Então nossa vida está entre dois fogos: Deus dentro de nós e Deus entre nós. Neste forno divino nos formamos, escutamos e seguimos a Jesus. Uma vida guiada em tudo que é possível pelo Espírito Santo resulta bela: tem sabor, tem vigor, é autêntica e luminosa. 

- Chiara Lubich, fundadora do Movimento dos Focolares.
-- tradução própria, a partir de um texto em espanhol 

Nenhum comentário:

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...