31 de out de 2011

Jesus Cristo é verdadeiro Deus


Aqueles que afirmaram que nosso Senhor Jesus Cristo não é Deus, ou que não é verdadeiro Deus, ou que não é um só Deus com o Pai, ou que não é imortal por ser mutável sejam convencidos de seu erro pelo claríssimo testemunho e pela afirmação unânime dos Livros santos, dos quais são estas palavras: No princípio em o Verbo, e o Verbo estava em Deus, e o Verbo em Deus. (Jo 1,1) 

Está claro que nós reconhecemos o Verbo de Deus como o Filho único do Pai, do qual se diz depois: E o Verbo se fez carne e habítou entre nós (Jo 1,1-14), em referência ao nascimento pela sua encarnação, ocorrida no tempo, tendo a Virgem como mãe. Nessa passagem, o evangelista declara que o Verbo não é somente Deus, mas consubstancial ao Pai, pois, após dizer: E o Verbo era Deus, acrescenta: No princípio, ele estava com Deus. Tudo foi feito por ele e sem ele nada foi feito do que existe (Jo 1,2-3). Diz tudo, de modo a incluir tudo o que foi criado, ou seja, todas as criaturas. 

Consta aí claramente que não foi criado aquele por quem tudo foi criado. E se não foi criado, não é criatura, e se não é criatura, é consubstancial ao Pai. Toda substância que não é Deus, é criatura, e a que não é criatura, é Deus. E se o Filho não é consubstancial ao Pai, é uma substância criada; e se é uma substância criada, todas as coisas não foram feitas por ele. Ora, está escrito: Tudo foi feito por ele; portanto, é consubstâncial ao Pai. Assim, não é somente Deus, mas verdadeiro Deus. 

O mesmo afirma com clareza o apóstolo João na sua carta: Nós sabemos que veio o Filho de Deus e nos deu a inteligência para conhecermos o verdadeiro Deus. E nós estamos no verdadeiro Deus, no seu Filho Jesus Cristo. Este e' o Deus verdadeiro e a vida eterna (1 Jo 5,20). Podemos também tirar a conclusão de que não se refere somente ao Pai aquelas palavras do Apóstolo: O único que possui a imortalidade (1Tm 6, 16), mas a um só Deus. que é a própria Trindade." Jamais a vida eterna pode ser mortal com alguma mutabilidade; por isso, o Filho de Deus, porque é Vida eterna, está incluído também com o Pai, na citação acima: O único que possui a imortalidade. 

Nós, participantes de sua vida etema, tornamo-nos imortais, conforme nossa condição. Mas uma coisa é a vida eterna da qual fomos feitos participantes, outra coisa somos nós que viveremos para sempre por força dessa participação. Se, pois, o Apóstolo tivesse dito: “O Pai, (em vez de: Jesus Cristo) - o Bendito e único Soberano, o Rei dos reis e Senhor dos senhores, o único que possui a imortalidade, mostrará nos tempos estabelecidos. ..”, nem assim se poderia concluir que o Filho está excluído.

O Filho também não se separou do Pai ao falar pela voz da Sabedoria (pois é a Sabedoria de Deus): Eu sozinho fiz todo o giro do mundo (Eclo 24,8). Com mais razão, portanto, não é lícito que se entenda só do Pai, excluindo o Filho, quando se disse: O único que possui a imortalidade, já que a afirmação é esta: Guarda o mandamento imaculado, irrepreensível, até a aparição de nosso Senhor Jesus Cristo, que mostrará nos tempos estabelecidos, o bendito e único Soberano, o Rei dos reis e Senhor dos senhores, o único que possui a imortalidade, que habita uma luz inacessível, que nenhum homem viu, nem pode ver. A ele, honra e poder eterno! Amém (1Tm 6,14-16). 

Nessas palavras, não há menção propriamente dita do Pai nem do Filho nem do Espírito Santo, mas do bendito e único Soberano, o Rei dos reis e Senhor dos senhores, o que corresponde ao único e verdadeiro Deus, à própria Trindade. 

A não ser que as palavras seguintes pudessem torcer a interpretação dada, pois disse: Que nenhum homem viu. nem pode ver, porque poderiam ser entendidas como referentes a Cristo na sua divindade, a qual os judeus não viram, embora tenham visto o seu corpo e o tenham crucificado. Mas a divindade não pode ser vista de modo algum por olhos humanos; pode, porém, ser vista com aqueles olhos de quem já não são homens, mas super-homens. Portanto, com toda razão deve-se entender o próprio Deus-Trindade quando está dito: o bendito e único Soberano, referindo-se à aparição de nosso Senhor Jesus Cristo nos tempos estabelecidos. Quando o Apóstolo disse: O único que possui a imortalidade, era como se dissesse: O único que faz maravilhas (Sl 71,18).

Desejaria saber a quem os adversários atribuem as referidas palavras: pois se apenas ao Pai, como pode ser verdade o que o próprio Filho diz: Tudo aquilo que o Pai faz, o Filho o faz igualmente? (Jo 5,19). Qual é o prodígio entre os prodígios, senão ressuscitar e dar a vida aos mortos? Pois, o mesmo Filho diz: Como o Pai ressuscita os mortos e os faz viver, também o Filho dá a vida a quem quer (Jo 5,21). Como dizer que somente o Pai faz prodígios, se essas palavras não dão lugar a que se entenda que é somente o Pai ou apenas o Filho, mas o Deus único e verdadeiro, ou seja, o Pai, o Filho e o Espírito Santo?

Além disso, quando o Apóstolo diz: Para nós, contudo, existe um só Deus, o Pai, de quem tudo procede e para quem nós somos; e um só Senhor, Jesus Cristo, por quem tudo existe e por quem nós somos (1Cor 8,6), quem há que duvide de ele falar de todas as coisas criadas, do mesmo modo que João: Todas as coisas foram feitas por ele? (Jo 1,3). Pergunto também: a quem se refere quando diz em outro lugar: Porque tudo é dele, por ele e nele; a ele a glória pelos séculos! Amém (Rm 1 1,36). Se essas palavras fazem referência ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo de modo a atribuir a cada Pessoa uma das expressões: Dele ao Pai, por ele ao Filho, nele ao Espírito Santo, fica claro que o Pai e o Filho e o Espírito Santo é um só Deus, pois o Apóstolo acrescenta no singular: A ele a glória pelos séculos. Por onde se vê que usou esse sentido, também ao dizer: Oh abismo da riqueza, da sabedoria e da ciência; não do Pai, do Filho e do Espírito Santo; mas, da riqueza, da sabedoria e da ciência de Deus. Como são insondáveis seus juízos e impenetráveis seus caminhos! Quem, com efeito, conheceu o pensamento do Senhor? Ou quem se tornou seu conselheiro? Ou quem primeiro lhe fez o dom para receber em troca? Porque tudo é dele, por ele e nele. A ele a glória pelos séculos dos séculos! Amém. (Rm 11,33-36).

Se, portanto, os adversários querem entender essas palavras como referentes somente ao Pai, como entender que todas as coisas foram feitas pelo Pai, como é dito aqui; e que tudo foi feito pelo Filho, como é dito na carta aos Coríntios: E um só Senhor Jesus Cristo por quem são todas as coisas; e como se lê no evangelho de João: Tudo foi feito por meio dele? Se umas coisas foram feitas pelo Pai, outras pelo Filho, conclui-se que nem tudo foi feito pelo Pai, tampouco tudo pelo Filho. Se tudo, porém, foi feito pelo Pai e tudo pelo Filho, as mesmas coisas feitas pelo Pai foram feitas pelo Filho. Portanto, o Filho é igual ao Pai, e a atuação do Pai e do Filho é inseparável. Com efeito, se o Pai criou o Filho, que não foi feito pelo próprio Filho, nem tudo foi criado pelo Filho; mas a verdade é que tudo foi feito pelo Filho. Então concluímos que o Filho não foi criado, mas que com o Pai fez tudo o que foi feito. Tanto que o Apóstolo não omitiu o Verbo ao dizer de modo bem claro: Ele tinha a condição divina e não considerou o ser igual a Deus como algo a que se apegar ciosamente (Fl 2,6); e chamando ao Pai, de Deus, como vemos nesta outra passagem: A cabeça de Cristo é Deus (1Cor 11,3).

Sobre o Espírito Santo, recolheram-se também testemunhos abundantes dos quais fizeram uso todos os autores que antes de nós escreveram acerca destas matérias, nos quais se prova que o Espírito Santo é Deus e não criatura. E se não é criatura, é não somente Deus - pois os homens foram tambem chamados deuses (Sl 81,6) - mas Deus verdadeiro. E, portanto, igual em tudo ao Pai e ao Filho, consubstancial e coeterno na unidade da Trindade.

A citação, onde aparece com maior clareza o Espírito Santo não ser criatura, é aquela onde nos é dado o preceito de não servirmos à criatura, mas ao Criador (Rm 1,25). Quanto ao modo de servi-lo, difere porém, do revelado no preceito de servimos uns aos outros pela caridade (Gl 5,13), que em grego se designa com o verbo douieuein, enquanto o serviço a Deus está expresso pelo verbo latneúein. Daí denomina-se idólatras os que prestam aos simulacros dos deuses o culto devido somente a Deus. O culto a Deus é proclamado nas palavras: Adorarás o Senhor teu Deus, somente a ele servirás (Dt 6,13). Ao empregar o termo letreúseis, o texto grego é mais explícito.

Se esse culto à criatura nos é proibido, pois está escrito: Adorarás o Senhor teu Deus, e somente a ele servirás, e o Apóstolo maldiz os que cultuam a criatura e a servem, e não ao Criador, conclui-se que o Espirito Santo não é criatura. Ele, ao qual todos os santos prestam aquele culto, no dizer do Apóstolo: Os verdadeiros circuncidados somos nós, que servimos ao Espírito de Deus (Fl 3,8). E em grego estão designados pelo termo latreúontes. Em muitos exemplares mesmo nos latinos assim se lê: Que servimos ao Espírito de Deus; e assim se encontra também na maioria ou quase em todos os códices gregos. Em algumas cópias latinas, porém, o texto não é: Servimos ao Espírito de Deus, mas: Servimos a Deus, no espírito.

Os que erram a esse respeito e se recusam a se dobrar perante o peso da autoridade, será que encontram, por acaso, versões diferentes nos códices com relação às palavras: Ou não sabeis que o vosso corpo é templo do Espírito Santo, que está em vós e que recebestes de Deus? (1Cor 6,19) Que maior insensatez e sacrilégio do que alguém ousar dizer que os membros de Cristo são, conforme dizem, templos de uma criatura inferior a Cristo? Em outra passagem o Apóstolo diz: Vossas corpos são membros de Cristo (1Cor 6,15). Se, porém, os membros de Cristo são templos do Espírito Santo, o Espírito Santo não é uma criatura, pois, àquele de quem nossos corpos são templos é mister que devaxnos a adoração devida somente a Deus, que em grego é designada com o termo latreía. Por isso acrescenta: Glorificai, portanto, a Deus em vosso corpo (1 Cor 6,20).

-- Do livro A Trindade, de Santo Agostinho, bispo (século V)

Nenhum comentário:

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...