10 de set de 2011

São Francisco de Jerônimo

São Francisco de Jerônimo nasceu em Grottaglie, Itália, a 17 de Dezembro de 1642 e faleceu em Nápoles, 11 de Maio de 1716. Foi um padre jesuíta conhecido como o "Apóstolo de Nápoles".

Tão logo entrou para a ordem, implorou aos seus superiores que fosse enviado ao Japão, onde desejava ser missionário. Eles, no entanto, lhe responderam que o Reino de Nápoles seria o seu Japão e a sua Índia, devendo ali empregar todos seus esforços evangelizadores. 

A paixão por converter pecadores o consumia. Enormente popular na Itália central, atraia milhares para ouvir seus sermões e confessar-se com ele. Dele se diz que era um cordeiro quando falava, mas um leão quando pregava. Sua carinhosa misericórdia o compelia a procurar aqueles mais endurecidos pelos vícios e crimes. Frequentemente era visto nas prisões e ruas de má reputação pregando para os passantes. Conta-se que muitas vezes fazia várias destas pregações durante um dia, convidando as pessoas para converterem-se e ir a Eucaristia no Domingo. Eram sermões curtos e eloquentes, convidando os pecadores a examinarem suas consciências e se arrependerem. Numa missa especial que fazia no terceiro domingo do mês era comum haver até 15.000 presentes. 

Certa noite, uma grande tempestade caia sobre a cidade, ele foi pregar em uma das ruas mais perigosas, já abandonada pelo povo comum. Uma mulher ouviu sua catequese e no dia seguinte foi procurá-lo para confessar-se e deixou sua vida de prostituição. Segundo relatos, converteu mais de 400 "piores casos" por ano. O  mais famoso foi Maria Cassier. Ela assassinou seu pai, fugiu e passando-se por homem, serviu no exército espanhol. Sob a orientação de Francisco, não apenas mudou de vida, como morreu com fama de santidade. 

A região do porto era uma área favorita de pregação. Navios que atracavam no porto, afamados pelo péssimo comportamento da sua tripulação, eram convertidos em exemplos para a cristandade. Muitos muçulmanos foram convertidos e batizados em cerimônias muito bem preparadas, para que tocassem seus corações e a imaginação dos espectadores. 

Durante sua vida, escreveu basicamente apenas cartas, em especial para seus superiores, ou quando as circunstâncias da missão assim o pediam. A Ordem dos Jesuítas tem arquivado vários esquemas que ele utilizou para preparar seus sermões, sinal claro que estudava os textos bíblicos antes das celebrações. A carta a seguir ele escreveu para um adolescente que revoltara-se contra seus pais e decidira sair de casa:

Meu muito amado filho,

Hoje fui visitar seu pai e, ao não verte em casa como é usual, perguntei onde estavas. Imagine a tristeza que senti quando ouvi que havias saído de casa em circunstâncias que desnecessário descrever, pois sabes melhor do que eu. Eu não estou surpreso que tenhas seguido um impulso, pois somos todos humanos, sujeitos a muitas falhas, cheios de pecados. Mas sempre é tempo de olhar para dentro e reparar um erro cometido num momento impensado.

Deves lembrar que teu querido pai, ao repreendê-lo, não tem outro objetivo que não seja o teu bem. Portanto, peço-te que retornes para casa sem demora, e cumprindo o teu dever para com Deus e teu pai, que me prometeu para mim recebê-lo com carinho, como se nunca houvesses cometido tal afronta. Se te sentires embaraçado em aparecer em casa sozinho, venha aqui na casa dos padres, que eu te acompanharei.  Cometeste um erro, meu filho, e agora é hora de reparar tua falta. Tenho certeza que és capaz de atender este conselho e espero ter a alegria de vê-lo novamente antes do próximo Domingo. 

Francisco também trabalhou para melhor a vida material dos pobres. Organizou uma associação de trabalhadores, chamada 'Oratio della Missione' para ajudá-lo com orações e bens materiais. Por exemplo, dava emprego aos necessitados atribuido-lhes a tarefa confeccionar rosários feitos com sementes de oliva.  Aos doentes que o procuravam, sempre dava um mínimo, para que pudessem alimentar-se. Aos falecidos, dava um enterro cristão digno. Mantinha uma casa para receber filhos de prostitutas, para que não caíssem numa mesma vida de desregramento. Teve a felicidade de contar 22 das crianças entrando para a vida religiosa.

Em Napoles e região espalhou-se uma fama de realizar milagres, que foram fartamente descritos no processo de beatificação. Morreu após uma longa doença, aos 47 anos. A procissão de seu corpo pela cidade foi acompanhada por milhares de pessoas e exigiu a intervenção da Guarda Suiça pois o povo queria tocar uma última vez em seu corpo. Em 1758, o Papa Bento XIV reconheceu as virtudes heróicas da sua vida e elevou-o a condição de beato. Em 26 de maio de 1839 foi solenemente canonizado. Sua festa litúrgica é celebrada em 11 de Maio.

-- Do livro Voices of the Saints, tradução particular


Nenhum comentário:

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...